11.8.08

Dor de dentes

.
Em certo mês do ano de 1976, encontrava-me com uma dor de dentes.
Naquela altura, havia poucos dentistas no nosso País e uma consulta, paga a peso de ouro, era marcada muitas vezes com meses de antecedência.
A todos os dentistas que conhecia, já tinha batido à porta, sem resultado. Até que lembrei-me de repente da “consulta que resulta” e catrapus, pego na lista telefónica das páginas amarelas e procuro anúncio de dentistas. Eram duas páginas cheias deles e tratei de procurar um que fosse o mais perto possível do local onde trabalhava, ali para os Olivais, mais propriamente onde hoje está instalado o Centro Comercial Vasco da Gama, em plena Expo 98.
Logo no primeiro da lista, situado na Avenida Duque de Ávila, em Lisboa, informou ser possível ser atendido. Perguntam qual o dia que desejava e a hora pretendida. Caí das núvens e não me fui abaixo das pernas porque estava sentado. Como era possível, bater a tantas portas não conseguindo e, através da lista telefónica, tinha-se-me aberto o céu! Respondi: "logo de tarde, pelas 14 horas, aí estarei". Mesmo assim a senhora informou-me que se não fosse às 14 era na hora que eu quisesse.
Desligo o telefone e fico a matutar. Será que liguei a número errado e alguém do outro lado esteve a gozar comigo?
Confirmei, e para justificar a chamada, informei que a hora que tinha marcado não era a mais conveniente, pelo que perguntei se seria possível para amanhã e a que horas?
Com certeza, ficaria para o outro dia e que eu dissesse a que horas me conviria. Fico ainda pior do que já estava e das duas uma, ou o dentista era muito novato e não tinha clientela ou era algum barbeiro-ferrador que tinha vindo morar para Lisboa.
Portanto, foi cheio de medo e incertezas que no outro dia, à hora aprazada, lá me dirigi à Avenida Duque de Ávila disposto ao que desse e viesse.
Inspecciono o prédio, fachada com azulejos azuis, porta de alumínio e nenhuma tabuleta indicando que no rés-do-chão esquerdo existia dentista. Preocupado, constato que uma mulher com lenço na cabeça, um cabaz de vime na mão, com dois galos cujas cabeças carecas saíam do dito, tocava a campaínha da porta do tal rés esquerdo.
Se eu estava preocupado e cheio de dúvidas ao ver aquela cena ainda mais me preocupei. Se os galos não têm dentes, que fazia aquela mulher a bater à porta dum dentista?
Será para porem prótese? E logo aos dois? - Penso com os meus botões.
Aproximo-me e perguntei à senhora se conhecia o dentista e se era bom profissional.
Ah!... De maravilha, responde-me. Aliviei-me e fiquei tranquilo, só a dor não me largava, mas o espírito ficou leve como uma pluma.
A porta abre-se, a mulher, com o cabaz e os “carecas” lá dentro avança, e eu atrás, seguindo a ordem de chegada, fomos recebidos pela senhora que presumivelmente me atendeu na marcação para a consulta. Fiquei à porta, esperando que a fulana das aves fosse atendida e então apercebo-me de duas coisas:
A primeira, era que a da casa julgava que eu tinha alguma ligação com os galos e a sua dona, e a segunda era que a fulana dos animais de capoeira não conhecia o doutor nem ninguém da casa, mas tinha tido conhecimento de que aqueles iam abandonar a dita e, portanto, tentava ver se ficava com ela, razão por que levava os dois bichos para pagar o preço do favor.
O meu coração apertou outra vez, fiquei apático sem saber o que fazer e denuncio que nada tinha a ver com os galináceos, mas, sim, que tinha uma consulta marcada. Manda-me entrar e chama: - João, está aqui o senhor da consulta, continuando na conversa pois a perspectiva de umas canjas não era coisa para desperdiçar. Não fiquei a saber se eles mudaram ou não de dono, se acabaram de churrasco, de fricassé ou com arroz.
Os meus sentidos, a partir daquele momento, ficaram interessados em assunto mais importante. Saído presumivelmente da cozinha, do fundo do corredor, avança para mim um homem já muito velho, o doutor, andando vagarosamente, com uma bata que, em tempos, já deveria ter sido branca, com os cabelos da mesma cor, em pé, um Einstein autêntico. Manda-me entrar para um quarto, o consultório, sem dúvida, mas sem qualquer utilização há muito tempo. O chão, as secretárias, a cadeira do paciente, tudo que era sítio, encontravam-se cheias de envelopes que, vindos pelo correio, nunca foram abertos, jornais nunca lidos eram atirados ao acaso lá para dentro, ficando onde fossem parar. Senti vontade de chorar e fugir de tudo aquilo, mas a dor não me largava e segredava-me que era só mais um pouco de paciência e sacrifício, para acabar com o martírio.
Depois de afastadas as papeladas de cima da cadeira, sentei-me e avisei alto e bom som que não queria arrancar o dente, mas somente um arranjo.
- Combinado, respondeu o doutor, com a sua voz ciosa e vacilante. Acomodei-me, ele pega no holofote, tira a mão e este apaga-se. Coloca a mão e aquele acende-se, tira a mão apaga-se, põe a mão acende-se e diz para mim: Segure aqui. Segurei o holofote, acendeu-se e… agora imaginem, eu de boca aberta, segurando o holofote, e o doutor a arranjar-me o dente, sentindo-me, nessa altura, um paciente sujeito às experiências de um filme de “Boris Carlof”. Na realidade, só numa cena de filme cómico ou num número de palhaços de circo aquilo era possível.
Enfim, acabado o trabalho, e depois de receber a recomendação de, com a língua, não arrancar a massa acabada de colocar, pergunto quanto devia, e aí, mais uma vez, recebo outra surpresa.
- São 20$00. Para quem já perdeu a noção da paridade da moeda, esclareço que 20$00 é igual a dez cêntimos.
Caramba, o homem estava parado no tempo; há quantos anos, não era possível adivinhar.
Dois ou três dias depois, a massa caiu e a dor voltou, talvez redobradamente. Estou angustiado pela impossibilidade de resolver aquele problema tão complicado e que tanto mal-estar me causava, vou a um pequeno estabelecimento de comes e bebes que, nessa altura, existia na Av. 31 de Janeiro, quase esquina com a Avenida da Igreja, em Alvalade, na tentativa de comer qualquer coisa.
Quem já teve dor de dentes sabe que a alegria nos foge, o bem-estar desaparece e a tristeza nos invade.
O pequeno comércio estava cheio, eu, pensativo, esperava o que tinha solicitado, na expectativa de, pelo menos, meter alguma coisa no estômago.
Eis que vejo entrar uma amiga de longa data, que já não via há anos, acompanhada de um cavalheiro e que, ao reconhecer-me, aproximou-se, apresenta o marido e convidei-os a sentar e acompanhar-me na minha mesa.
As conversas da praxe, o que fazíamos, há que séculos não nos víamos, o casamento, o seu rebento, hoje um belo rapaz, já formado. Enfim, todas aquelas conversas que se fazem quando os amigos não se vêm há muito.
Quando nos despedimos, o marido da minha amiga ofereceu, como é hábito, que se algum dia necessitasse dos seus serviços, estaria sempre disponível e às ordens.
Naquela ocasião, com a dor de dente a apertar, pus a mão no queixo e disse: Meu caro amigo, o que eu necessitava, nesta altura, era de um dentista, pois ando aqui há um ror de tempo a penar com uma dor que não me larga.
Eureka, que disse eu... Puxa da carteira, ripa de lá um cartão, mete-me na mão e diz:
- Esteja amanhã nesta morada, às 9 horas, pois eu sou lá dentista e resolvo-lhe o problema.
Nem queria acreditar, mas hoje, tantos anos depois, continuamos a ser bons e velhos amigos e até são os meus padrinhos de casamento.

83 comentários:

Anónimo disse...

uiiii,,,,,eurekaaa....nem quero acreditar sou a 1ª!

andaste com muita sorte ò Zé,imagina q o Enstein das relatividades,te enfiava com uma BROKA,olha das que te livraste....

os garnizés é que foi pena,a velhota não te oferecer um.que bem uso lhe farias...diz lá,como marcha bem um arrozinho de cabidela regado a preceito,até a dor de dentes anestesiava(por acaso ñ ..dor de dentes??,,arreda santanás)
Boa semana,pandorabox

Ps:os mudos(Apúlia,já ñ são o que eram.o mudo morreu)

Zé do Cão disse...

Sinceramente gostei de seres a primeira a botar palavra.
Confesso que naquela altura não eram os "garnizés" que me preocupavam.
Mas agora um "pica no chão" de cabidela marchava. (Acabo neste momento exacto mais a minha "Dona" de dourada no forno, regada com branco de Palmela, melão de Almeirim e uma banana) te digo........
Mas, um galo, careca ou não, feito guisado com massa letria, os filhos e eu a fazer companhia, comemos até ficar-mos empaturrados. A "Dona" querida, fica extasiada. Que consolo.
Sobre os mudos, só os conheci a falarem. Mas era giro, com uma mão comia-mos e com a outra certos dias afastava-mos as moscas.
Sobre o conto e o dentista é daquelas coisas que não esquecem mais.
Na passada sexta-feira, estivemos com os nossos padrinhos, intervenientes nele no El Corte Inglês de Lisboa. Não lhes disse desta publicação, espero que ele me diga algo porque lê sem comentar os meus contos. Este já o fiz sair num jornal quinzenal e local.

Boa amiga, Bjs. e para as meninas também. O próximo será "sabrinas de padrão escocês", em que o Zé escabou de boa, não sei como.

kuka disse...

Quando comecei a ler a história pensei que a conversa do dentista, pelo telefone, fosse alguma senha para acesso a umas certas casas que existiam em Lx por essa época. Vá lá. Era mesmo um dentista.

Zé do Cão disse...

Kuka, um abraço. Foi coisa que não me passou pela cabeça. E só agora com a tua lembrança, achei que se enquadrava perfeitamente.

Renovação de abraço, grande

Mariazita disse...

A minha colaboração no SEMPRE JOVENS é às Terças-Feiras.
No meu blog, A CASA DA MARIQUINHAS, faço postagens Aos Domingos e Quintas Feiras.
Como no próximo dia 15 vou ausentar-me, para férias, gostaria de contar com a tua presença e comentário nestes dois últimos posts, o que antecipadamente agradeço.
Felicidades. Até Setembro.
Beijinhos
Mariazita
PS – Guarda esta informação, que é preciosa -:)))

Mariana disse...

Olá! Me desculpe,. estou na correria e nao li todo o seu texto....

Eu vim para responder ao teu comentário: meu curso acaba no fim do ano...

Apenas coloque a champanhe no gelo - nao estoure! hehehe

beijos

Zé do Cão disse...

Mariazita. Nada a agradecer. É com muito gosto que faço.
Quando se tem pequerruchos é possível fazer férias em Setembro. Maiores é que não, a escola não deixa.

Pois então, boas férias.......

Bj.

Zé do Cão disse...

Pois no fim do ano, rebenta o champagne, combinado?

Continuação de bom trabalho.

bjs.

Mandy disse...

Que história interresante, e com um belo final, não é msm? já q conseguiu resolver o grande problema com seu dente... E q bom q ainda são grnades amigos!!!!

^^

Ah, já tem post novo lá no Blog, depois passa lá pra dar uma conferidinhaaaa...

BjO.

Daniel disse...

Oi tudo bem?
Apenas para dar um 'oi'.
Uma otima semana e beijo de Londres.
Daniel
www.sembolso.blogspot.com

Zé do Cão disse...

Mandy. Já passei por lá.
O amigos fazem-se conquistando com amizade.

bjs.

Mandy disse...

Temos q aproveitar sempre né... haha
E q bom, seus filhos já estão encaminhados, parabéns!!!

^^

BjO.

Zé do Cão disse...

Obrigado Mandy. êxito é o que te desejo.

Mandy disse...

hauhauahuauua

Será msm??? É né quem sabe lá na facul eu acho o principe...
Sei q já encontrei um sapinho por lá... hehehe

Obrigadaaaaa!!!!

BjO.

Ana Camarra disse...

Zé do Cão

aqui no Barreiro existia uma senhora que foi ajudante de um dentista, ficou como a Chica Dentista, ficou o recheio do consultório do patrão depois de ele morrer e no auge dos seus 80 anos ainda dava "consultas", que se limitavam a arrancar dentes, as histórias são muitas desde a Dª Chica subir para o peito do paciente para puxar o dente porque já não tinha força, até arrancar vários dentes sãos até chegar ao dente fatal.
Morreu velhinha e muito estimada.
Ainda bem que não vieste ao Barreiro arrancar o dentinho, na altura a Dª Chica já era srª para sessenta e muitos.
Esqueci-me de um pormenor, não dava anestesia...era tudo a aguentocaina...

beijocas

Maria Flor disse...

Olá Zé,
Não só vim retribuir a visita, mas solver mais uns goles de boas histórias que eu encontrei por aqui desde a primeira vez!
Eu adorei a sua visita e tudo o que me escreveu, a Linny ficará feliz em saber o que pensa dela, realmente, ela é especial. E o blog dela é um espaço muito interessante, em que me perco vendo as histórias dela.
O mundo dos blogs tem me permitido estravasar emoções que no dia a dia terminam esmorecendo, pela falta de tempo e pela timidez que não me deixa soltar o verbo e falar do amor que sinto pelo mesmo homem há quase dez anos, no meu próximo post falarei mais sobre isso...

beijocas! (como você percebeu,o meu modo de me despedir...)

Zé do Cão disse...

Mandy. Aí é perfeitamente natural.Você está mais mulher mais madura, mais senhora de si e encontra moços nas mesmas condições.
Atrevo-me todavia a dar um conselho, pense sempre bem não se precipite, porque há sempre um "Zé do Cão" a fazer partidas como no caso das margaridas.
ahahahah....

Beijocas

Zé do Cão disse...

ana c. , realmente se eu soubesse e dado as dificuldades que se me tinha deparado, de certeza que lá ia à Chica. Não era a Chica Boa da cantiga, não?
O meu devia ser sábio, até aos galos iam à consulta.
Sempre que acabo de escrever e ao fazer a última olhadela, dou sempre umas gargalhadas. Mas sendo sincero ao ler o teu comentário, ri às lágrimas, a ponto de a minha "Dona" vir ver o que se passava. É que ela é natural de Palhais.
Volta, volta, sempre, porque uma das melhoras coisas do blog são as risadas.

beijocas também

Zé do Cão disse...

Maria Flôr.

Obrigado. A Linny é efectivamente uma amiga especial. Vive intensamente as paixões.
Compreendo perfeitamente as emoções das paixões, não obstante em novo ter sido extremamente leviano. Amo a mulher com quem sou casado e está tudo dito.
Beijocas, que não traduzem mais do que um sentimento de respeito.

Rufino Fino Filho disse...

Ó Zé, assustei-me com a palavra "dentista". Desde muído que dentistas e barbeiros, me arrepiam. Ainda hoje, quando vou ao consultório, e ouço a porra da broca, fico com os cabelos em pé. A questão do barbeiro resolvi de foma eficaz: corto a barba em casa e a "minha", dá um jeito ao cabelo.
Abraço
Rufino

Linny. disse...

Nao sei nem por onde começar, li teu comentario no blog da Maria Flor e me veio lagrias nos olhos, vc é muito especial demais para mim e me faz um bem enorme te ter por perto, ler teus email's com a novidades de portugual e as fotografias.
quero viver da forma que você disse e acredito que estou no caminho certo e quero ter a paixao que tem de um amor lindo...
te adoro demais e sempre quero te-lo ao meu lado.

Beijos.

obs: Estou de blog novo no ar;
www.meu-retrato.com

Capitão Merda disse...

Recorreste ao factor cunha, Zé...
Está mal!

Abraço

;)

Zé do Cão disse...

Linny, és adorável.

Beijocas

Zé do Cão disse...

Capitão. Não, não aqui não há cunhas.
Existe uma réstia de melaço.

Fizeste-me rir é o que é.

Um abraço e já agora fica-te com esta.
No próximo sábado o Zé faz capicua.
Bjus para a Capitoa.

Zé do Cão disse...

Filho Fino do Rufino. Também eu, homem também eu.
Antes desta cena, fui a um dentista, o medo era tanto que a dor passou-me.
Alcei os cucos e pirei-me, no outro dia voltei lá.
Quanto ao cabelo, desde que casei e já lá vão 30 anos, nunca mais fui ao barbeiro.
É ela que o corta.

Um abraço

Anónimo disse...

E por falar em CUNHA.....

Não podes meter uma cunha ao Capitão para o mais rápido possivel sair do buraco em que se meteu..ainda vai "VIRAR" ozono...amigos são para as ocasi-oes....receio q a metamorfose seja bicho do buraco,,,,credooo

um abraço,BOM AMIGO,pandorabox

Pascoalita disse...

O que eu me ri a ler este texto ahahahahahahahah Gosto muito do seu jeito de escrever.

Uns anitos antes dessa data, era eu uma miúda de 18 anos, tb fui acometida de uma forte dor de dentes (a única até hoje e já passei o meio século).

Apesar de nessa altura já trabalhar, não tinha segurança social e tive de pagar a consulta!

Sugeriram-me um dentista que havia na rua morais soares que acabou por me arrancar 1 dente que ainda hoje acredito que estava são! O tipo pagou-se bem ... 100$00.

Mary West disse...

Hisorias de amizade são sempre legais, quando envolvem dentes então fica uma maravilha. Tb amo o meu dentista, ele é quase um parente jah. :D

Zé do Cão disse...

Pandora. Eu acho que o problema do Capitão resolvia-se com "flit" aquele mata moscas que apareceu no tempo da segunda mundial e tinha uma bomba assim parecida com as das bicicletas, mas mais gorda e com um deposito para levar o material.Não havia com certeza uma casa portuguesa onde não houvesse aquele merd.. Se não matava as moscas pelo menos intoxicava quem a manipulava . Até servia para matar piolhos.
Ele vai desenrascar-se tenho a certeza.Adoro a tua presença.

Zé do Cão disse...

Pascoalita
As recordações das coisas que já me aconteceram, fazem parte da minha juventude actual.
Prometo solenemente que quando for historia inventada (se é que para isso tenho jeito) aviso. Ficção.
Acabei agora de escrever "Sabrinas- de padrão escocês" - será o próximo post. Espero que as namoradas não o venham a ler. Já que escapei na altura não queria agora levantar poeira.

Zé do Cão disse...

mary west. Mas dentistas destes não apanhamos todos os dias.
à porta deste até os galos iam tocar.

Beijocas querida amiga

Isabel-F. disse...

Mas que história ... a 1ª parte é quase inacreditável e o fim ... olha que boa sorte tiveste tu ...


beijinhos

Zé do Cão disse...

Isabel-f.
É como diz, a 1ª parte é inacreditável e a 2ª foi o bom.
Se não me tivessem acontecido tantos casos insólitos eu também não acreditava.
A 2ª parte é a parte boa da história.

Quando um dia fizer ficção (duvido, porque não tenho jeito) aviso.

Bj. e que não haja chuva em Azeitão

Ana Camarra disse...

Zé do Cão

Se a tua Maria é de Palhais com um bocado de azar ainda é minha parente....

até a Chca dentista era irmão de um tio meu por afinidade a minha familia aqui no burgo é pior que os Corlleone, somos todos parentes (Barreiro velho, Stº António da Charneca e Palhais)

beijocas

Anónimo disse...

Pensavas que não passava por aqui sem te desejar um BELO fim-de-semana prolongado??'..querias--nem iria dormir bem---mas tb quero causar-te outra dor de dentes e raiva....morde-te.....contorce-te...espuma,porque esta nina vai Emborcar bolo com saardinhas pequeninas...ehhe....e afogar a comezana num verdinho...

As ninas mandam-te um xi....
Um abraço à patroa
e tu BOM AMIGO,olha....abraço-te..rsrrsr
(ah..aquela coisa q sugeriste do pssttt pro capitão ñ seria melhor encomendar uma gajaboáhcomóhmilho,QUE O SUFOCASSE??......EHEHEHHEHHE

Bernardo Moura disse...

Que estória porreira!
Fiquei surpreso quando vi que era sobre dor de dentes, pois esta semana andei com uma dor de dentes do caraças(ciso escacado).
Um grande abraço

Zé do Cão disse...

Ana Camarra.
Sim, Sim é de Palhais. Médica de Profissão.
Amiga dos Amigos, jóia como esposa, mãe estremada.
E Chama-se Maria Susete.
Nada me admira sobre parentescos ou outras.
Depois da cena das Margaridas, tudo pode acontecer.

Um Beijinho

Zé do Cão disse...

Minha querida Pandora.
Fui para a Manta Rota, onde tenho um refugio, com a patroa e o meu filho mais velho, para fazer-mos o fim de semana maiorzito.
Fiz anos, hoje. E o rapazote (para mim)para os outros é o Sr. dr. quis estar com os pais já que o mais novo, foi em 2/8 para a Finlandia, por um ano.
Afinal, hoje por volta das 5 horas viemos para cima, porque era tanta gente no algarve que até fazia confusão.Na 5ª feira quando fomos para baixo, desde Setúbal até Messines a Auto Estrada era completamente cheia, todas as faixas de rodagem. Velocidade, de loucos e isso não dá comigo.
Estamos no verão, mas tenho saudades de uma papas de serrabulho, uma tripas, solinhas ou dobrada, como lhe queiram chamar.
O Capitão é um bom homem, amigo dos amigos também.

Beijinhos ás "nenas", para ti também beijocas.

Zé do Cão disse...

Bernardo. É coisa séria uma dor de dentes.
Agora com um dentista daqueles a coisa ainda é pior.
Lê os comentários que a Ana Camarro faz sobre uma dentista (?) no Barreiro, que também devia ser uma grande peça.

Um Abração

SILÊNCIO CULPADO disse...

Zé do Cão
Amigo, esta história foi mesmo de outros tempos quando os brasileiros ainda não tinham invadido o nosso mercado e os dentistas não eram tantos quanto as mães.
Actualmente há um para cada dente. E nem é preciso marcar.

Beijos
(As tuas histórias são sempre impagáveis).

Anónimo disse...

PARABENS!PARABENS!

Encomendei a DEUS(q acredito ou melhor QUERO que exista,seja na forma de passsaro,seja o shiva ou maomhet ou buda,,seja quem for a DIVINDADE)....mas encomendei-lhe o PRESENTE que eu gostaria de ter dar,aposto que é um ano cheio de SAÚDE).......

Abraço-te com força:pandorabox
PARABENSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS

Zé do Cão disse...

Assim, assim, creio que não tiveste.
Porque eu tive uma parte má e uma muito boa.
Sempre ouvi dizer que todos os cães têm sorte.
Agora que isto foi assim mesmo, garanto que foi.
Agora é como dizes, um dentista para cada dente.Mas também te digo que anda para aí cada ferrador, que é um disparate.

Beijinhos, muitos. grande amiga.

Zé do Cão disse...

PandoraBox.

Obrigado, muito obrigado. Estou todo babado.
Tenho aqui guardado, um melaço "licor de ginja" guardado para quem fez anos também a 16.É dela desde que esteve de férias na costa alentejana. espero em breve entregar-lhe.
Creio que estou em forma, cada dia que passa um pouco mais velho.

Sabes eu sou velho, não idoso.

Beijocas

Olá!! disse...

hahaha és uma delicia a contar histórias Zé...
ahhhhhhhhhhhhh PARABÉNS amigo e um grande beijo

Zé do Cão disse...

Já tinha saudades desta faca em riste.
Quererá ela dizer, que acabou de colocar manteiga no pão?
São as minhas histórias de vida.
Na próxima segunda feira, tenho uma "sabrinas de padrão escocês", que assentam bem a qualquer moça. Provavelmente a mim também me assentariam bem... (se não me pirasse).
Beijocas

Mandy disse...

Ter alegria é muito bom!!! Mas às vezes se torna tão difícil sentir este sentimento...
Mas graças a Deus ando muito feliz!

Se cuida querido amigo...

^^

BjO.

Zé do Cão disse...

No fundo é isso mesmo, sentir e agarrar a felicidade.

Beijocas

Rafeiro Perfumado disse...

Caramba, Zé, se ao homem que te arranjou o dente convidaste para padrinho de casamento, a quem te doasse um órgão eras homem para lhe sacrificares um filho! :D

Mas tens razão, as dores de dentes são as mais alucinantes que existem, mesmo superiores às de fechar as calças à pressa!

António Sabão disse...

Zé está demais estas história! Isso so´demonstra que , embora a nossa passagem pela vida seja curtita, acontecem coisas extraordinárias! E então a ti é cada uma! Heheheh
Aquele abraço

Zé do Cão disse...

rafeiro. Pois é a dor de dentes é terrível. Quanto ao fechar as calças, olha que também deve ser lixado, fica a saber que um dos meus filhos teve mesmo de ir ao Hospital.

Um abraço

Zé do Cão disse...

É verdade António Sabão. Como é possível acontecer-me tantas coisas extraordinárias. E há muitas que nem conto.

Um abraço

Pascoalita disse...

..."E há muitas que nem conto."

Bora lá contar tudinho ... a gente tá cá pra se rir ahahahahahahahah

Zé do Cão disse...

pascoalita
Nem pensar. Algumas nem para maiores de 80.

Na próxima 2ª feira vai as das "Sabrinas" e já não é mau.

Beijocas

Antunes Ferreira disse...

LISBOA - PORTUGAL

Olá!

Um tipo que dá por Zé do Cão tem de ser bué da fixe!

Cheguei a este blogue através de outros que costumo visitar e neles postar comentários. Cheguei, vi e… gostei. Está bem feito, está comunicativo, está agradável, está bonito – e está bem escrito. Esta é uma deformação profissional de um jornalista e dizem que escritor a caminho dos 67…, mas que continua bem-disposto, alegre, piadista, gozão, e – vivo.

Só uma anotaçãozinha: Durante 16 anos trabalhei no Diário de Notícias, o mais importante de Portugal, onde cheguei a Chefe da Redacção – sem motivo justificativo… pelo menos que eu desse com isso… E acabo de publicar – vejam lá para o que me deu a «provecta» idade… - o me(a)u primeiro livro de ficção «Morte na Picada», contos da guerra colonial em Angola (1966/68) em que, bem contra vontade, infelizmente participei como oficial miliciano.

Muito prazer me darás se quiseres visitar o meu blogue e nele deixar comentários. E enviar-me colaboração. Basta um imeile / imilio (criações minhas e preciosas…) e já está. E se o quiseres divulgar a Amiga(o)s, ainda melhor. Tanto o blogue, como o imeile, tá? Muito obrigado

www.travessadoferreira.blogspot.com
ferreihenrique@gmail.com

Estou a implementar e desenvolver o projecto que tenho para o meu www.travessadoferreira.blogspot.com e que é conferir ao meu/vosso/NOSSO blogue a característica de PONTO DE ENCONTRO entre os Países fraternalmente ligados – Portugal e Brasil. E outros PALOP e etc…
Se me enviares o teu IMEILE, poderei enviar-te «coisas» que ache interessantes. Se, porém, não as quiseres, diz-me que eu paro logo. Sou muito bem-mandado (a minha mulher que o diga…) e muito obediente (cf. parênteses anterior). Abrações e queijinhos, convenientemente repartidos e distribuídos

– Desculpa por este comentário ser tão comprido e chato. Como a espada do D. Afonso Henriques…
- Já conheces o me(a)u «Morte na Picada» que acima menciono? Há quem diga que é muito bom. E até que é o melhor que se escreveu em Portugal sobre o tema. Dizem… Obviamente que não sou eu a dizê-lo… Só faltava… E também há quem tenha escrito que é SANGUE & SEXO… Malandrecos… Pelo sim, pelo não, compra-o.
Depois de o leres, se, por singular acaso, tiveres gostado dele, terás de comprar muitíssimos mais exemplares. São excelentes prendas de aniversários, casamentos, divórcios, baptizados, e datas como Natais, Carnavais, Anos Novos, Páscoas, Pentecostes, vinte e cincos de Abris, cincos de Outubro, dezes de Junhos. Até para funerais. Oferecer o «Morte» na morte fica bem em qualquer velório que se preze. E, além disso, recomenda-o, publicita-o, propagandeia-o, impinge-o aos Amigos, conhecidos, desconhecidos & outros, SARL. Os euros estão tão raros e... caros...
++++++++++++
A editora da obra é a Via Occidentalis (occidentalis@netcabo.pt) cujo site é www.via-occidentalis.blogs.sapo.pt. Neste blogue podem ser consultados mais dados sobre o livro, cujo preço de capa é € 14,70. ATENÇÃO: Pode ser comprado pela Internet.
++++++++++++
NOTA IMPORTANTE: Este texto de apreciação e informação é similar em todos os casos em que o utilizo. Digo isto, para quem não surjam dúvidas ou suspeitas sobre a repetição em diferentes blogues. E para que ninguém se sinta ludibriado – ou ofendido… Há feitios que… Mas, sublinho, apenas o uso quando o entendo, isto é, quando gosto mesmo dos que visito. Nos outros onde também vou, se não gosto, saio sem comentários. Há muitos mais. Aqui na terrinha diz-se que «se não gostas, põe na beirinha do prato…»

Zé do Cão disse...

Antunes Ferreira, obrigado pela visita e pelos elogios.
Nunca experimentei a escrever ficção ou inventos ocasionais, daí nem sequer saber se tenho jeito vou não.
Quando passar o Agosto, darei as minha noticias.
Já agora, e só aproveitando o meu espírito brincalhão, eu considerava o jornal O SÉCULO o melhor de Portugal.
Até estive na Colónia em S. Pedro do Estoril. E até tinha o Pim, Pam, Pum.
ahahahah.....

Um abraço

JOY disse...

Carissimo amigo Zé do Cão,

Com o fim das férias( o que vale é que só faltam 365 dias para as próximas) cá estou para lêr mais uma das suas aventuras. Quanto a dentistas, fujo deles a 7 pés.

Um abraço
Joy

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Ia eu pronunciar-me sobre este blog, quando encontro um comentário do meu amigo Antunes Ferreira, que diz tudo o que eu queria dizer. Portanto, gostei!Feliz coincidência...
Apenas não tenho um livro para anunciar... somente umas crónicas lá no meu Rochedo, que talvez aprecie.

Zé do Cão disse...

Joy, como não faz como eu Tenho-as permanentemente.
E a minha "Dona" reparte as suas para que possamos dar à solta muitas vezes.
O Pior é que se gasta tudo logo na 1ª vez.


Um abraço grande

Zé do Cão disse...

Barbosa, é sempre salutar ler coisas agradáveis e com humor.
No entanto também aprecio as coisas sérias e sentidas.
Com todo o gosto vou lá passar.

Um abraço

vsuzano disse...

a vida é sempre engraçada.... nós é que por vezes esquecemos isso...


agora outra coisa ... eu de tremeilim, guardanapo na mão e lista na outra ? rsrsrsrsrs não faltava mais nada.... hahahahahaha.... de vez em quando ajudar sim, mas só mesmo de vez em quando.... rsrsrrs


abraço e bom fim de semana !!!

Zé do Cão disse...

vsuzano

Isso é o que tu dizes agora. Porque na hora da verdade, remédio tens tu que não seja ajudar.
E atender aqueles clientes muito chatos que não sabem o que querem e que nada está bem, aí é que me vou fartar de rir, quando me disseres.
Zé Tinhas razão!...
A Gente depois conversa. Quando te aparecer um cliente da qualidade do Zé que come no "mantel", até vais ao ar.
ahahahahahaha................
Um abraço e vai-te despedindo da boa vida............

Capitão Merda disse...

Bom fim-de-semana, Zé!

Abraço

Zé do Cão disse...

GOZA A VIDA CAPITÃO.
iSTO ESTÁ MAU, TEMOS DE NOS HABITUAR A CONVIVER COM O CRIME VIOLENTO.
sEGUNDO DIZEM OS GAJOS QUE DESGOVERNAM ISTO.

caditonuno disse...

20 escudos? nessa altura, aliás, uns ou 8 anos antes comprava-se um par de sapatos por cerca de 300 escudos. o homem levou o quê, 1000 paus ou 5 euros?

ao menos resolveste o problema definitivamente uns dias depois!

JOTA ENE ® disse...

... dor dentes, não sei o que é isso há c'anos, felizmente!

Abraço!

Zé do Cão disse...

O homem tinha parado no tempo.
Cadito, estás com novo visual. Porreiro pá, Porreiro.
Pelos vistos ajeitas-te na culinário.
Se me faltasse a Dona, estou convencido que morria à fome.

Um Abraço grande

Zé do Cão disse...

jota ene.

Pois, pois, se calhar são teus porque
os compraste? Não?
Gastas-te a "maçaroca" e nunca são teus.
Pois eu com a idade que tenho, só me faltam 2 (dentes).


Um abraço grandão

Zé do Cão disse...

Jota ene.

Um dia sentadinhos, com uma "botija" da Ermelinda à frente, havemos de discutir baixinho, sobre o teu clube ser o Maior, o melhor etc e tal.

Um Abração

Tatiara Costa ; ) disse...

Oi caro amigo ( posso te chamar assim?) Você sempre tão gentil, nunca esqueces de mim, quanto tantos outros já partiram... obrigada de coração!Não escrevo tanto por falta de tempo ando trabalhando tanto!!!! Que quando estou em casa amo ficar em minha cama...
E por coisas de destino ... tem um bentito dente aqui a me encomodar, mas digo, odeio ir ao dentista!!! Aja coragem!!! Rsrsrssrs.
Abração e sempre estarei aqui***

JOTA ENE ® disse...

Amigalhaço,

"a talhe de foice" dir-te-ei, hoje Domingo na revista do Correio da Manhã na pág. 72 uma reportagem sobre a eleição do melhor vinho do mundo, sem dúvidas, digo eu.

Abraço!

Zé do Cão disse...

Jota ene. Coisa boa, esta conversa.
Amanhã responderei porque ainda não li o Jornal.
Ao Domingo há um pouco de preguiça.
Normalmente de verão ou inverno, dou um pulo a qualquer lado.
Tenho preferências, Manta Rota- Algarve, Sanxenxo e O Grove - Galiza. Depende de que lado está o vento da "Dona". Hoje há anos cá em casa, ficamos.

Um abraço

Um abraço

Maria Flor disse...

Amigo,
Só para agradecer pelo comentário e dizer que ao acabar de ler confesso: desejei que tuas palavras fossem uma profecia, que este amor vinhesse com cara de novo e tapasse o buraco de todos os M´s! Amém.

obrigada!!!

beijocas!

Laura disse...

Rapaz, encantaste-me, e o mê manel a semana passada teve dor de dente que tinha de ser arrancado, aqui era barato onde lhe indicaram, mas so marcavam a partir de Outubro, depois lá foi mais longe e ligou para um amigo e lá foi fora de Braga aod entista, que alivio ao chegar...agora tu tiveste de ir a esse e se não fosse eesse não conhecias os teus padrinhos de casamento, ora essa!... Mas tamém pagaste baratinho ehhhhhh... e nem te ralaste se as galinahs acabaram em fricasse´ou canjinha...quem sabe se ficasses mal ele dava-te uma canjita no fim e melhoravas, tadinho de ti...
Beijinho da laura e que tal vires assistir à nossa pedalada da tarde?...

Zé Oliveira disse...

...pois tinha,o Século tinha o Pim Pam Pum.
...e então, há bocado fui conhecer pessoalmente o Antunes Ferreira ali a Alcobaça (que eu o último livro dele já conhecia e outros talentos dele também, a ele pessoalmente é que não conhecia) e já à despedida ainda deu para falarmos do Pim Pum.
Coisa curiosa: Andei alguns anos a tentar confirmar se o Manuel Ferreira dos contos do Pim Pam Pum era o mesmo Manuel Ferreira da Hora di Bai e dos livros para crianças, uma trabalheira do caraças a tropeçar em coincidências também do caraças (a biografia dos dois parece a mesma), cheguei a construír uma teoria que "demonstrava", através da comparação de um "retrato" do Manuel Ferreira (PPP) desenhado pelo Arcindo Madeira, comparação feita com uma foto do Manuel Ferreira "cabo-verdiano" - que os dois eram um só. A seguir, depois de anos de "investigação policiesca", lá concluí sem dúvidas que os dois manuel Ferreira eram mesmo dois.
E, depois da tal trabalheira do tal caraças, vem há bocado o Antunes Ferreira e diz-me, à despedida, que conheceu os dois!
Por que é que eu naão conheci o Antunes Ferreira à mais tempo!
Termino, perguntado ao António Sabão: Queres ir às Maia no próximo sábado à tarde?

Zé do Cão disse...

Minha MARIA FLOR.
Umas das coisas boas da vida é ser-mos sonhadores. O Sonho, faz-nos viver, ter esperança e gosto por respirar.
Vou fazer-te uma pergunta que gostava de ler a tua resposta.

Acaso já tiveste algum sonho a cores?

Pensa bem e dá-me a resposta.
Eu sou felizardo, só sonho a cores.

Beijocas, muitas e grandes

Zé do Cão disse...

Laura. Convite para assistir à vossa pedalada. E porque não convite para pedalar convosco? Quer dizer. Colocava-me à beira da estrada, a bater palmas à vossa passagem, como na volta a Portugal? Sim, senhora!...
Pois em Braga, existe um dentista, mãozinhas de oiro, chama-se Barata. É filho do Dr. Barata que tem consultório no Rechicho e trabalho no S. Marcos ( o pai não é dentista) e a mãe, é Médica no Carandá.
Laura, como sei eu estas coisas todas, meu Deus? Será de ser velho?
Não creio.
Realmente fui um homem de azar e SORTE. e os padrinhos, são um casal encantador, amigos, enfim os melhores do mundo.
Confesso, desde essa data até hoje, nunca mais gastei dinheiro em arranjos de dentes.
Beijocas

Zé do Cão disse...

Zé Oliveira (nome giro)
Realmente a vida dá um trabalho do caraças, e de repente vem tudo à tona de água e ficamos com as explicações todas.
Um Grande Abraço.P.S. Este escrito não seria para o António Sabão?
Se era para mim, vivo no sul, bem ao sul, encostado à fronteira. É praticamente impossível.

Um abraço

luafeiticeira disse...

Pois, às vezes depois da tempestade vem a bonança.
jocas

Moyle disse...

não que eu duvidasse mas devo dizer que é de homem, fazer amizade com o dentista. sim senhor:)

Zé do Cão disse...

Lua

E o azar nem sempre está atrás da porta.

Beijocas

Zé do Cão disse...

Moyle.


É bom dentista e é um amor de homem.

Considero mesmo um homem como há poucos.

Um abraço

Fatima disse...

Zé mas que cena esta!
Imagino ter chegado à consulta e ver aquela desarrumação toda!
Ainda bem que tudo acabou em bem, mas a história é hilariante!

Zé do Cão disse...

Fatima, e eu cheio de medo ao pegar no holofote, com receio de ficar electrocutado.
Acontece cada uma aos mortais.... que é demais.

Beijocas