24.4.08

Viagem a Sevilha



O Zé sempre gostou muito de pombinhas e esta, no Parque Maria Luiza em Sevilha, não resistindo aos meus encantos veio dar-me um beijinho.

.
Namorei uma morena, uma bela rapariga de vinte e tantos anos, natural de Castelo Branco, mas a viver em Paço de Arcos desde os 6, para onde veio em companhia dos progenitores, que tinham acabado de arranjar trabalho naquela vila da linha do Estoril.
A moça era bonita (com aquela idade todas são), graciosa, trabalhadora e terminámos nem sei bem porquê. Qualquer coisa de arrufo de mal me quer, bem me quer, o certo é que me voltei para o outro lado, como quem acorda estremunhado e tem necessidade de dormir mais um bocado e não dá atenção ao que o rodeia.
No entanto, durante o nosso tempo de convívio fomos felizes, soubemos viver a vida à nossa maneira, como pudemos ou nos deixaram.
Por nos ter acontecido algumas situações de bom humor, não vou deixar desperdiçar a oportunidade de contar um caso ocorrido na Cidade de Sevilha, onde nos deslocamos para assistir à Feira de Abril.
As “maçarocas” andavam em baixo e portanto, a tempo e horas, resolvemos marcar a nossa viagem de forma a não deixar nada ao acaso e evitar qualquer surpresa desagradável. Afinal, pelos vistos foi deixa andar e fé em Deus.
O Zé tinha uma viatura 500 da marca Fiat, que fez a viagem numa média de 40/50 Km hora, muito bom para a época, já que as estradas, especialmente as espanholas, nalguns sítios eram só um buraco. Na altura e à falta de melhor, era uma “máquina”, na gíria dos entendidos, especialmente aqueles, que, como eu nunca tinham tido outro…
O calor era insuportável. Fizemos a visita nos últimos dias da Feira e esta encontrava-se no auge, as sevilhanas com os trajos regionais e festivos, montando os cavalos sentadas de lado, agarradas à cintura do cavaleiro também com o trajo a rigor, as “charretes” das casas senhoriais com os senhores das terras e suas “donas”, as flores nas orelhas, os empregados também vestidos a condizer e a conduzir as ditas, com destino ao picadeiro, com as ruas engalanadas de bolas brancas e vermelhas, as “casetas”, milhares de pequenas esplanadas particulares e poiso de descanso para uns pés mais doridos; depois de percorrer todas as ruas da Feira, estávamos exaustos.
Quando nos sentimos bem num lugar, o tempo passa rapidamente sem darmos por isso e foi o que nos aconteceu. Portanto, já noite alta desatámos a procurar local para pernoitar e a todas as portas que batemos não era possível satisfazerem os nossos desejos, até que, já desesperados, lá conseguimos um “Hostal” que nos acolhia por um preço igual a um hotel de 4 estrelas. Naquela altura não há que pensar; é pegar ou largar, mas iria desajustar todo o orçamento daquele passeio.
A entrada da unidade hoteleira dava para um pátio andaluz, sendo o seu recheio composto de muitas flores, duas cadeiras de verga, onde numa delas estava sentada uma mulher grande e gorda, que na minha imaginação admiti ser a dona. Não me enganei.
Foi-nos atribuído um quarto com cama de casal num terceiro andar, cuja subida era feita através de escada por dentro do referido pátio. Depois, lá em cima, tinha um corredor que servia todos os quartos de cada andar e portanto a patroa, cá debaixo praticamente controlava todo o movimento no “Hostal”, sem levantar o “assento” da cadeira de verga.
O quarto era modestíssimo, não tinha casa de banho, mas tinha cama, duas mesas de cabeceira, uma cadeira e um roupeiro que naquele tempo se chamava de guarda-vestidos, uma janela já carcomida do caruncho e um lavatório assente em suportes de ferro fundido com arabescos e as ligações às duas torneiras que pingavam, com tubos de chumbo a sair da parede.
A Lurdocas, era assim que eu chamava à minha companheira de amores e de viagem, necessitou de se lavar e, como não tinha outra maneira mais à mão, resolveu lavar os seus “baixios” no lavatório, usando para se colocar à altura do mesmo a cadeira existente no quarto.
Ainda lhe chamei a atenção que aquilo podia dar para o torto, mas não aceitando a minha observação, coloca água no lavatório (quente não havia), sobe a cadeira virada para o dito, volta-se, quer sentar-se mas o espaldar da cadeira era um pouco mais alto, impedindo uma boa execução do serviço.
Com jeito a mais, ou falta dele, assenta o “sim senhor” no lavatório com a mesma naturalidade e à vontade como se estivesse no bidé. Os suportes não aguentaram o seu peso, os tubos de chumbo dobraram, partiram, e o lavatório cai no chão fazendo um barulho medonho e a água, sem nada para a impedir, saía com força de 8/9 bares, ficando a Lurdocas estatelada no chão. Não se magoando, já que Deus à menina e ao borracho põe a mão por baixo, levanta-se imediatamente e coloca um dedo de cada mão nos buracos de onde saía água na tentativa de a fazer parar. Espera aí que já paras, aquilo foi uma lavagem tipo máquina de estação de serviço; as partes intimas onde já tinha passado o sabonete estavam cheia de espuma e a água em repuxo e alta pressão pela colocação dos dedos a impedir a sua saída tratou de fazer a lavagem definitiva e completa, faltando somente secador, para pentear e fazer risca ao lado. Estávamos os dois em pânico, abri a porta e lá de cima debruçado no balcão chamei a patroa, desenrolando-se esta conversação:
Senhora... Senhora...
Cunho, Cunho, já me desgraciaste, foste labar el culo no lababo. és el costumbre...
Deu-me vontade rir, porque me apercebi que pelo barulho que o acidente fez, ela soube logo do que se tratava, pois decerto a outros já teria acontecido a mesma coisa.
E o mais curioso é que nem se deu ao trabalho de ir lá acima, foi-se à torneira de segurança, fechou-a e o “Hostal” esteve sem água até ser reparado no outro dia, tendo a brincadeira custado ao Zé a quantia de 250$00 (muita massa), fazendo com que a visita à Feira tivesse terminado logo ali, não sem antes primeiro tirar umas fotografias com as pombinhas no parque Maria Luíza. Regressámos à capital portuguesa de imediato e a fazer refeição de sandes de atum durante toda a viagem, exceptuando uma pequena paragem em Badajoz para comprar uns caramelos da marca “Solana”, que eram iguais aos nossos da marca “Vaquinha” e que eu tinha o cuidado de oferecer a amigos que tivessem dentes postiços, pois adorava ver os gulosos atrapalhados a retirar com muita dificuldade aquela pasta agarrada à dentadura, ocasionando sempre umas valentes gargalhadas.

58 comentários:

vsuzano disse...

em verdade em verdade te digo... vais parar ao paraíso... porque o demo não te quer lá.... rsrsrsrs

abraço, e bom fim de semana

Olá!! disse...

hahaha
Olha Zé, apesar de ter o previlégio de conhecer parte da história e da ilustração da mesma, deliciei-me com a narrativa, do principio ao fim....

Bom fim de semana por terras mais quentes e um beijo grandeeeeeeee

Moyle disse...

eu acho que o "hostal" já tinha mesmo esse esquema montado para sacar mais umas notas aos hóspedes. é que foi mesmo muita naturalidade da matrona da cadeira de verga... que cena altamente.

fotógrafa disse...

Hummm…fim de semana prolongado… sortudos que somos…rsrsrs
Divirtam-se e gozem uns ricos dias, com sol e calor…por mim, vou de certeza fazer tudo isso…e não só…rsrsrs
abraço

Capitão Merda disse...

Zé:
Para quem tem 150 anos estás com bom aspecto!
;)

Repousa bem lá no refúgio...

Abraço

medusasss disse...

Grande história! :)
***

JOY disse...

Amigo Zé do Cão


Mais uma hilariante história, acho que devia pensar em escrever um livro .

Um abraço
Joy

Templo do Giraldo disse...

Ola boa tarde meu carissimo amigo, passei por aqui para te desejar um resto de dia da revolução bem passado.

Hoje comemora-se os 34 anos de liberdade. É com orgulho que vivo este dia, embora eu não tenha vivido esse dia mas tenho familiares meus que estiveram na revolução.

Não podemos deixar cair no esquecimento este dia que tanto trouxe ao nosso País.
Abril é hoje e sempre, vamos continuar a lutar pelos nossos direitos, e pela nossa liberdade.

"O POVO UNIDO JAMAIS SERÁ VENCIDO"

Um abraço saudoso e um bom fim de semana.

Anónimo disse...

Cunho!Cunho!
Que lá "passarita á espuma" caiu do alto...

Tu não és o Zé do cão...tu és o ZÉ da passarinha "arreganhada"...

Não lhe deste uma ajudinha no doi-doi?

Por esta "imagem" a conclusão é fácil: Zé sabem BICAR yóh!!!

Bom fim de semana!pandorabox

Manuel Damas disse...

Passei para deixar um abraço e desejar uma boa semana.

luafeiticeira disse...

ehehe, essa história está demais, realmente Sevilha tem destas coisas; a 1ª vez que lá fui foi pela EXPO e aconteceu-me pior que a ti, pois nem bidé nem quarto, tive que dormir ao relento ou dentro do carro, já nem sei, era eu e o resto da família; a última vez... bem essa está postada em "Orgilla".
jocas

caditonuno disse...

eu desta feita fui pra norte. agora vivo mais pra cima, por isso passear até à andaluzia nao dá muito. nem pra ver as pombas a passar e a ir logo embora.

Olá!! disse...

O fim de semana correu bem Zé???

Beijosssssssssssssss

Anónimo disse...

Uiiiiiiiiiii

ò Zé foste prá Quénia?

Querem ver q foi "comido" por uma jararacá...aqui só lhe "calhava" passarinhas

(ñ me canso de olhar pra foto,,passarinha e passarão e q passarão)

Bom dia do Trabalhado:pandorabox

fotógrafa disse...

Bom fds para ti,cheio de sol e calor…e tudo o que houver de melhor!
Abraço

Bernardo Moura disse...

EHEHEH!!
Que rica aventura!
:)
Ab

Zé do Cão disse...

vsuzano e Olá! Depois de 3 dias no nosso refugio algarvio, demos um salto até Tarragona (Salou, visitar tios e fazer gosto ao meu dedo, a meu belo prazer e como gosto. 1.200 Km directos a yogurte liquido e 3 bananas. Nunca me senti "Fangio" ou "Alonso", mas daquela maneira é um prazer super-sumo. Cheguei hoje, com outra directa, mas já com destino à casa mãe.
Renovei e estou mais novo, talvez aí uns 10 anos.
Estou feliz por gostarem do conto.
Estou a pensar num e já estou com outra no pensamento.
Abraços e Beij

Zé do Cão disse...

Moyle, a companheira dessa ocasião, era porreirinha e não fazes ideia das valentes gargalhadas que demos, no regresso.
É que, se eu dizia mata, ele queria logo, esfola. Era cá uma morenaça...
Qualquer dia dá-me a "ventosa" e conto uma cena altamente em que me vi envolvido, quando ela me encontrou no Alhambra em Granada, acompanhado de outra...
Um grande abraço meu amigo

Zé do Cão disse...

fotografa. É verdade, ás vezes sou um sortudo.
Fui ao Algarve e acabei no Port-Aventura no Salou.
O meu tempo tem que ser bem aproveitado, qualquer dia vem aí a "morrinha" e adeus Zé.......

Bji muitos, muitos

Zé do Cão disse...

Meu cáro Capitão. Meu amigo Capitão.
A foto foi tirada talvez aí há 36/37
anos. Mas garanto-te que estou bem conservado. Se vestir assim uma roupita parecida com aquela, garanto-te que a pombinha ainda vinha outra vez beijar o Zé.

Um grande abraço de amigo

Zé do Cão disse...

medusasss. É verdade são as histórias de quem vai para pensões rascas. Eu é que fiquei enrascado, tive que pagar o arranjo.

Um beijinho

Zé do Cão disse...

Joy, De quando em quando via-me envolvido em cada uma.
Vou contando quase ao sabor do vento.
Um grande abraço, meu amigo

Zé do Cão disse...

Pandora. Realmente, elas bicavam bem.
Eu era um grande malandreco. Todavia juro que fui sempre respeitador, namorei realmente muitas, nunca enganei nenhuma. Disse-llhes sempre a verdade. Casar, nem pensem...
Esta moça era adorável e tinha muito humor. O que rimos desta cena e de outras que também passamos...
Muitos beijinhos minha amiga

Zé do Cão disse...

Prof. Damas. O abraço foi aperetado, e a semana foi maravilhosa.
Algarve, Salou e 1.200 Km directos para cada lado. A meu gosto....
Sinto-me em forma e cheio de vida.
Um abração

Zé do Cão disse...

Luafeiticeira. Vou à procura desse teu conto.
Também fui à Expo de Sevilha. Fui ficar a Malaga. À feira já fui um montão de vezes. Nume delas telefonei à familia e informei que estava numa clinica. (a dormir, porque fui o unico sitio onde arranjei um quarto.)
De outra, dormi dentro do carro, tirei os sapatos a companheira também e uns ciganos roubaram um sapato a cada. Tás a ver, não? Dava uma historia.

Zé do Cão disse...

Amigo Caditonuno. Atiraram-te lá mais para Norte? Bragança, Montalegre?
Se foi Valença, Monção és um felizardo. Tens as Rias Baixas à mão.
Conheces o "Mercado de Pedra" em Vigo?

Meu caro amigo, gostei de te ver por cá
um abraço

Zé do Cão disse...

Olá!!. Se correu, sinceramente, de maravilha.
O Salou (Tarragona) está um espanto.
o Port-Aventura tem espectaculos totalmente renovados.
Sinto-me criança outra vez. Menino e moço...
Um bj.

Zé do Cão disse...

Pandorabox.
Gosto que me visites, dás-me força.
Era, era, passarão de primeira qualidade.
Ao leres as minhas respostas, já estás a saber por onde andei.
Um bj grande minha amiga.

Zé do Cão disse...

fotografa. Aproveitei bem. Fiz pela vida.
Bjs.

Zé do Cão disse...

Bernardo Moura.
Foi uma rica aventura, isso foi.
Julgo que todos nós temos aventuras, só que há quem não se aperceba delas ou não lhes ligue.

Um abraço

Olá!! disse...

Ainda bem que voltaste renovado, Zé, confesso que estava a estranhar este silêncio... Grande ramboia hahaha

Beijosssssssssss

Zé do Cão disse...

Palavra, estou mesmo renovado ou se calhar "recauchutado". Velho com piso novo.ahahah......
bj.

Diabólica disse...

Passei para deixar um beijinho e desejar uma óptima semana.

Com mais tempo volto.

Bernardo Moura disse...

VIVA A VIDA!
:)
Espero que tenhas uma boa semana!
Um grande abraço

.linny disse...

AHHHHHH que inveja que sinto de ti.

saudades

foryou disse...

assim já se entende porque é que as espanholas às vezes são um bocadinho menos asseadas... é só para não darem cabo dos suportes... lol

Essa foto está um espectáculo!!

Zé do Cão disse...

Diabolica.
Agradeço a tua visita e informo que passei pelo teu cantinho. és uma marota.
Bj.

Zé do Cão disse...

Bernardo, estou como tu. Viva a Vida.Viver é óptimo e saber viver ainda melhor. Eu faço pela vida.
Estou a preparar, outra das minhas aventuras
Um abraço

Zé do Cão disse...

Linny, não me digas. Eu é que tinha razões para ter inveja de ti. Pois és jovem e com uma esperança de vida (que já tive) que eu não tenho mais.
Tenho vsitado o teu cantinho....

Beijinhos, amiguinha

Zé do Cão disse...

Foryou
Foi uma grande cena, não foi? E esqueceu-me de dizer que eu estava em
cuecas de poplina às riscas, que era na altura o grande grito da moda.
Um abração amigo.

Anónimo disse...

Ui..Uiiiiiiii

Menos 10 anos????..ai(queres q faça publicidade ao "artigo"???


Bem Hajas amigo;Não há nada mais Divino que viver a vida num segundo como nunca mais(Vinicius)
(um xi pra Patroa)

Tem uma BELA SEMANA:pandorabox

Zé do Cão disse...

Pandora. minha querida, fazes parte do leque de pessoas que adora ver aqui.
Adoro todas, mas como é evidente,há mais e mais.
A Olá!! Silencio Culpado, Pandora, e mais um grupinho estão no meu coração.
Sargentonoctivo@yahoo.com
Conheces a Romaria do Rocio - Andaluzia- Parque Doñana?
Qualquer dia atiro com uma historia cá para fora.
A proxima será "Praga nos arbustos"

Zé do Cão disse...

Pandora e Olá!! A patroa, quando lhe digo que recebe um beijo ou um Xi, sorri.
Sinceramente digo. É uma tipa porreira. Só uma gaja porreira me aturava.
Mas confirmo. adoro-a e também tenho a certeza que ela por mim faria tudo.
Temos uma sintonia, admirável.
Já agora bj para as duas.

SILÊNCIO CULPADO disse...


Nestes tempos de Sevilha bem parecias o Rudolfo Valentino. Só que a ti te acontecem sempre histórias pitorescas que nos fazem rir até mais não.
Adorei esta. A vida pela vida, né Zé? E tu ,seu maroto tens-te divertido à bessa!

Uma rica vida foi o que foi.

Abraço apertado

Zé do Cão disse...

Silencio, Era a opinião que me faltava. Era o escrito que desejava.
Estas historias, fazem-me viver.Até eu, quando acabo de as escrever, farto-me de rir à farta. A minha mulher já me têm dito assim. Tu não tens vergonha de contares estas coisas? Mas isto é dito a rir. porque ela também as adora!
Muitos,muitos beijinhos.

jorge disse...

Caríssimo
Realmente saiste-me melhor que a encomenda.
Eu estou a imaginar a Lurdocas com um tubo de chumbo enfiado na passaroca e a gritar: "Zé, quero ficar assim. Finalmente conseguiste dar-me o prazer que há tanto tempo esperava de ti!!!!"
Esta é só para chatear.
Mas, falando a sério, é uma croniqueta saborosa, que me fez ir às lágrimas.

Zé do Cão disse...

Jorge, saiste-me melhor peça do que a encomenda. É dos ares do Algarve?
Confessa, tiveste ciumes do beijo da pomba, ou querias tu dar um beijo na "Pombinha".

Ainda não sabemos quem arrota com o almoço. Tu não és de certeza o último foi teu.

Um abraço e porta-te bem.

Zé do Cão disse...

Meus AMIGOS visitantes. Um assunto urgente, chama-me ao Algarve. Como é um sitio onde passo um frio tremendo,
não conheço ninguém e detesto lá ír, amanhã por volta das 12 arranco e só volto no Domingo. Portanto só na proxima segunda feira, teremos
"Praga nos Arbustos".
Portem-se bem por cá, já que, tenciono fazer o mesmo por lá.
Saudades, Abraços e Beijinhos

Zé do Cão disse...

Meus AMIGOS visitantes. Um assunto urgente, chama-me ao Algarve. Como é um sitio onde passo um frio tremendo,
não conheço ninguém e detesto lá ír, amanhã por volta das 12 arranco e só volto no Domingo. Portanto só na proxima segunda feira, teremos
"Praga nos Arbustos".
Portem-se bem por cá, já que, tenciono fazer o mesmo por lá.
Saudades, Abraços e Beijinhos

Zé do Cão disse...

Meus Amigos visitantes.
Afinal a agulha virou, o pneu rebentou e já não vou. Irei somente na proxima 6ª feira.
Portanto na 5ª Feira, já cá estarei
com a "Praga nos Arbustos"

Olá!! disse...

Ó Zé tu decide-te lá homem, se não quiseres vou eu hahaha
Beijosssssssss amigo e cá ficamos nós à espera das "moitas"

Anónimo disse...

Recauchutado....nem duvido!

E lubrificado?????(com um arzinho perfeitamente angelical)

Um abraço:pandoarbox

kuka disse...

Uma vida cheia.
Também possui uma dessas máquinas infernais. Um Honda 600. Por acaso fez muitas viagens a Espanha. E não só...

Zé do Cão disse...

Kuka, obrigadinho pela visita.
Não tens escrito nada. Que se passa.
Doença, perguiça, falta de tempo?
Espero que não seja nada.

Um abraço

Enfim... disse...

bem... ao menos divertiram-se loool

beijinhos

Capitão Merda disse...

Então, Zé?
Não há "post" novo?

Abraço

Zé do Cão disse...

É verdade "enfim", divertimo-nos à grande e à espanhola.
Beijinhos

Zé do Cão disse...

Claro capitão, claro.
Hoje aí estará ele, com toda a força e a causar dores de cabeça aos homens de boa vontade.
Um abraço