3.11.09

Magusto

Em 1973, a Direcção da Federação Portuguesa de Campismo foi convidada pelo clube de Campismo de Penacova para estar presente num Magusto, que se realizaria naquela localidade, com o patrocínio da Câmara Municipal, também extensiva aos seus familiares.
Confesso que nunca tinha ido a Penacova, que fiquei interessado em conhecer e acima de tudo conviver e comemorar a festa em honra de S. Martinho.
Em casa dos meus pais (dia de anos do progenitor) a coisa piava fino. Era um dia aguardado religiosamente e, na mesa grande, talvez aí de 4 metros de comprido de bancos corridos, sentavam-se para jantar na noite de 10 para 11 de Novembro, além dos da casa, mais uns familiares e amigos, ficando a mesa cheia e às vezes ainda tínhamos de apertar os cotovelos, já que sempre aparecia mais alguém.
O repasto era de primeira qualidade: línguas de bacalhau, caras, lagosta salgada, comprada numa das casas da rua do Arsenal, mesmo ali ao Cais do Sodré – pois é, como na cantiga do Rodrigo. Atum salgado, vindo expressamente da Madeira, acompanhado de couves, batatas, couve-flor, azeite das nossas quintas, água-pé de moscatel e da normal, jarros enormes de vinho tinto da nossa adega e castanhas, muitas castanhas, movendo-se o céu e a terra, porque se fazia questão de serem de Carrazedo de Ansiães. Pela meia-noite era lançados uns foguetes, restos das festas litúrgicas da Nossa Senhora da Soledade.
Foi sempre assim desde que me conheci, mas neste ano resolvi falhar em casa e saltar com os amigos, para estar presente no meu primeiro baptismo de um Magusto fora do meu habitat.
Penacova fica num alto e no largo da Câmara tem um miradouro, de onde se aprecia uma paisagem impressionante. As gentes do campo, com cabazes de verga à cabeça iam chegando e colocavam o que ofereciam para dar de comer aos visitantes. Não contei os presentes, mas posso calcular que seriam para cima de 800, e admitia não ser possível arranjar gratuitamente tanta comida para aquela multidão. Mas o número de ofertantes, conforme as horas se aproximavam, ia aumentando e a dada altura já não havia mesas que chegassem para tanta comida. Desde galos, coelhos, chouriços, presuntos, morcelas, cozido à portuguesa, garrafões e garrafões de vinho, nada faltava, naquelas mesas fartas que as gentes de Penacova desinteressadamente encheram. Com a colaboração do Corpo de Bombeiros, foi feita uma fogueira de tamanho colossal, onde foram colocadas sacas e sacas de castanhas para saciar os nossos desejos.
Pois aquelas mulheres, que trouxeram à cabeça toda aquela comida, algumas dos confins do Concelho, arregaçavam as mangas e deitavam-se ao trabalho de partir, assar, fatiar presuntos, cortar o pão, preparar copos, separar vinhos, enfim, uma organização impecável e digna de ser comentada como exemplo de como se organiza uma festa popular.
Tirei imensas fotografias e ilustro este conto com uma senhora a assar chouriços de sua oferta, que me chamou a atenção pela tamanho do seu bigode, chamuscado pela labareda do álcool e cujo marido aproveitava a ocasião, já com grão na asa, para brincar com o buço da sua cara metade, não se sentindo ela nada ofendida e dando largas à sua satisfação. Admito que deveria ter sido a mais fotografada no magusto.
.

53 comentários:

Mexicano Tarado disse...

Eh Pá! ...
na minha terra há um ditado que diz:

"Mulher de bigode, ninguém a ... lixa"!

E agora vou ler o CONTO que parece prometer :)) :))

Pascoalita disse...

Puxa, Zezito! Quem me dera ter 1/3 dessa fantástica memória eheheh

Descreves tão minuciosamente a cena que só faltou dizer de quantos pêlos se compunha o buço da Ti maria cachucha, a assadora de chouriço eheheheh

Conheci algumas mulheres peludas e devo dizer que os maridos de todos elas andavam sempre na linha, pois eram consideradas "mulheres de pelo na venta" (conheces o termo e sua conotação? eheheh)

Mais um CONTO digno de figurar num "Livro de Memórias" e oportuno a lembrar a época que se avizinha.

Mais logo volto à antena para ler em pormenor.

jinhos

zédocão disse...

Mexicano Tarado.

Não me digas, que tens nariz comprido.
Tal como a viúva dizia. Já estou livre... homem de nariz comprido nunca mais casa comigo.
É por isso que o capote não te deixa ver a cara?

Abraço

zedocao disse...

Pascoalita.
Com um bigode tão farfalhudo, seria difícil saber quantos eram.
Entre Vila Verde e Ponte da Barca, em Portela, foi vistar um cavalheiro de farto bigode, e ia acompanhado da "Dona" e dos meus rapazes (pequenitos). Bati à porta e fomos atendidos pela mulher, que tinha um bigode muitíssimo maior do que o do marido. O filho mais novo desatou a rir e a dizer ao irmão "ía que grande bigode que a
mulher tem". Fiquei envergonhado, mas perdido de riso.

biquinhos

Laura disse...

Ahhh, isso era corrente por aqui eu perguntava; ó pai, ams aquela senhora não é um homem? ahhh não, ela tem bigode, e porque não o corta? porque volta a crescer...coitado do pai...

As senhora aind
a não conheciam a depilação definitiva, coitadas, devia ser traumatizante e usavam as pinças, caramba, que feiote o homem, mulher, da foto..Beijinhos da laura

Zé do Cão disse...

Laurinha. Se tivesses um bigode assim
eras um espectáculo.
Um casal, ambos com bigode, quando dessem uma beijoca ficavam colados como as escovas.
ahahaah...
Coitada da senhora, atendia a malta sempre com um sorisso nos lábios e bigode arreganhado...


beijokitas

Oliver Pickwick disse...

"Magusto" por aqui, é um vocábulo quase desconhecido, porém, assar castanhas é uma prática muito apreciada por todos nós.
Como sempre, impressiona a sua riqueza de detalhes em narrar essas lembranças, mas o mais impressionante mesmo foi saber que a pessoa na fotografia é uma mulher. É uma imagem intrigante, se não revelasse a verdade, poderia crer que era um homem, mas com seios. Do contrário, uma mulher com bigodes imensos. Só mesmo você, Zé, para garimpar curiosidades como esta.
Um abraço!

Zé do Cão disse...

Oliver

Segundo a minha óptica, isto acontece (vai rareando) porque gente do campo,do interior, humilde e sem recursos financeiros, cortavam os pelos do buço, fazendo com que cada vez ficassem mais fortes. Depois o resultado era este. Presentemente já quase não existe e note-se este caso em particular aconteceu em 73. Sobre o Magusto, além da fogueira e das castanhas, aproveita-se para se fazer festas familiares, às vezes de grande envergadura, como esta, acabando por se sujar as caras do presentes
com o negro do queimado. Julgo até que tem um significado especial.

um abraço

Laura disse...

Ah, hoje se até os cães vão ao corte de pelo, corte de unhas, as ditas senhoras da aldeia frequentam o Instituto de beleza, ora pois... Há sempre uma filha ou neta, amiga, que as encaminha para esses lados, é que fica tão feio ver uma mulher nesse estado. simpáticas ou não, cheguem a vela mais perto das fuças...e o problema está resolvido,s em dores ou despesas...ou; amantizem-se co padreco lá da aldeia, e terão a chamuscadela de borla... Beijinho da laura

elvira carvalho disse...

Há muitos anos atrás fui no Verão fazer um piquenique em Penacova e fiquei impressionada com a beleza do local. Fizemos uma festa, era um autocarro cheio de malta jovem.
A senhora da foto decerto não se importava e achava natural o bigode.
Anos atrás fui à festa da Senhora das Chãs em Carvalhais, e encontrei a minha prima Teresa com a sogra que eu não conhecia e que era uma matrona com um bigodaço de fazer inveja a muitos homens. Eu já tinha visto muitas senhoras com um buço mais ou menos comprido, mas com um bigode assim nunca e fiquei impressionada. Lembro que na altura nem olhava para a senhora, com medo que ela pensasse sei eu lá o quê, mas os meus pais falavam com ela com a maior das naturalidades, bem como toda a gente e acabei por ficar envergonhada por pensar que eu era anormal por estar a reparar no bigode da senhora.
Um abraço

Zé do Cão disse...

Laura. Não sei se sabes que os Brasileiros quando querem representar a figura duma portuguesa, fazem-no sempre com bigode. No grande fluxo de emigração para aquele País, quem ia para o Brasil era gente do campo e portanto era considerável o numero de "bigodaças" que lá aparecia.
Coitadas, agora essa do padreca, fez-me pensar... Afinal o que tem a ver o bigode da paroquiano com o Padre da Freguesia?
Beijokitas

Zé do Cão disse...

Elvira de Carvalho.
Vê o comentário aqui, para a Pascoalita. Sejamos francos, no Minho
ainda hoje há muita gente com bigode.

No passado Domingo, estive no Mercado e Azeitão e lá encontrei algumas, tudo gente do campo.
Elvira, caso curioso, o post é sobre as castanhas, ninguém diz que estão com bicho/sem bicho, assadas/mal assadas, com gosto/sem gosto, mas toda a gente repara no
bigode da senhora, que até nem está a assar castanhas, mas sim chouriço.
ahahah...

Nesta vida conturbada, por que passamos, valha-nos isto para animar a malta.

beijocas

Cusca Endiabrada disse...

Zé do Canito ...

Conta aí à gente, mas verdade verdadinha, senão cai-te um dentinho:

- Nesse dia chegaste a provar as castanhas ou foi tal o deslumbramento que nem mais te lembraste ao que ias? ihihihih


dentadinha no bigode ... opss! no chouriço ... quer dizer nas castanhas ihihihih

Zé do Cão disse...

"Filha da Mãe".
Se soubesses quanto gosto de castanhas nem perguntavas isso. Comi, comi, comi e nem comi mais nada do que castanhas. Fiquei com as mãos tão mascarradas que nem me aproximei para não sujar o chouriço.
Tenho todos os dias depois do almoço comido 25/30 castanhas, assadas no micro ondas. às vezes passa uma sem ser bem cortada e lá tenho que limpar o interior do micro.
- Eu tenho por hábito, não mexer em maquinas sem primeiro ler todas as instruções. Certa vez, por descuido, esquecimento ou burrice, meti água num copo, depois pus lá um ovo dentro, que era para cozer rapidamente. O ovo deu um estoiro, o micro deu outro e a água e ovo desapareceram. Desliguei a tomada
pequei em esponja e água e trato de lavar o aparelho muito bem. A "Dona" chegou e estranhou eu estar muito caladinho a puxar lustro ao M.O..Perguntou-me o que tinha acontecido e eu disse que estava um pouco sujo e resolvi limpar.
Mas a clara e a gema estavam a correr e a sair por baixo. Quando liguei, o "gajo" começou a fazer faíscas por todos os lados e aí ela percebeu e contei-lhe a verdade. Disse-me assim.:- Puxa dos cordões à bolsa e vai comprar outro novo. meti o "rabinho" entre as pernas e cumpri a ordem-

Biquinhos, obrigado pela resposta via mail...

Maria disse...

Ó Zé, a minha bisavó paterna Rita de seu nome, tinha uma farta bigodeira. Tão grande que se vê nas poucas fotos que tenho dela.
Há tempos, o meu marido digitalizou uma e, por artes do Picassa, tirou-lhe o bigode. Havias de ter visto a cara da minha madrinha, única neta viva da dita, quando viu a avó sem bigode.
Primeiro ficou espantada, depois iu a bom rir. Faz hoje 97 anos, a minha madrinha e nunca teve bigode.
O que eu nunca vou esquecer é as gargalhadas dela, quando viu a avó sem bigode e sem ter feito depilação.
Ai que saudades de um belo Magusto.
Beijinho Zé

Cusca Endiabrada disse...

Vês, Zé do canito ...

No tempo da mãe Júlia não havia micro-ondas senão tinha-te prvenido, mas aposto que te ensinou a não seres abelhudo e mexer onde não devias mas tu ... deve ser do convívio com os espanhois ... gostas de apalpar tudinho eheheh

- Ospois, quem te mandou ser apressadinho? Não sabias que os ovos de galinhas apressadas aquecem demais e ospois ...pum! Foi isso. E o livro de instruções não se lê?

Pois isso foi uma das coisas primeiras que cusquei na blogosfera ... ovos a cozer no micro-ondas, jamé!

dentadinha

Cusca Endiabrada disse...

Ah! Esqueci de dizer que gosto de castanhas de qq maneira, mas como também sou apressadinha (calhar inda temos genes comuns ihihihi) quando tenho em casa, como-as quase todas cruas que é da maneira que mais gosto.

dentadinhas

Gatinho frenético disse...

mim não tar a endender nadika ...

Afinal foste a um magusto ou a um concurso de bigodes?

Bem diz a minha tia para tirar os fones que ando a ver tudo turvo ...

:) :)

Zé do Cão disse...

Maria
Juro que o primeiro bigodaço que vi na vida, por debaixo do apendice nasal e em cara de mulher, foi este.
Daí o ter tirado a fotografia.
Depois disso, sim, vim muitos no Minho e alto Minho. Já estava esquecido e no passado Domingo tornei a ver um no mercado de Azeitão.
Como antigamente as mulheres tinham muitos filhos, se calhar era manter o respeito...

Beijokitas

Zé do Cão disse...

Cusca, querida

Não sei se sabes (já me aconteceu), colocar um copo com água a aquecer no micro ondas, e ela explodir. Mandei reparar o aparelho, disseram-me que não tinha nada e cobraram-me 5 notas de mil. Aconteceu a mesma coisa. A Moulinex
(marca do aparelho) deu-me um novo em troca do velho (já tinha 10 anos). Com umas peripécias ao meio, dignas de um conto aqui no Zé do Cão.
biquinhos

Zé do Cão disse...

G. Frenético
Sim, sim, tens razão, afinal a peça principal deste conto é o bigode farfalhudo da senhora.
A culpa é do Mexicano tarado, que foi o primeiro a falar no assunto

Abraço

Kim disse...

Oh Zé! Magustos destes não faço há quase meio século. Isto é que era o verdadeiro magusto.
Claro que já fiz muitos outros depois disso mas não foram a mesma coisa.
Também não podemos comparar o magusto no campo com o da cidade. Poder até podia, mas não era a mesma coisa!
Olha, em Cuba, não muito longe de Havana existe uma gruta cuja cicerone é uma estudante universitária, cubana como é óbvio.
Pois bem, digo-te que nunca tinha visto algo tão bizarro. A moçoila tinha uma bigodaça digna de qualquer concurso e além disso ainda tinha as pernas rapadas dos joelhos para baixo. Como a saia batia exactamente onde terminava a depilação via-se que do joelho para cima havia um amazónico matagal.
A rapariga ganhava mais dinheiro a deixar-se fotografar do que a fazer o papel que lhe competia.
Abraço amigo
Tirei-lhe algumas fotos mas nem sei onde param.
É que é totalemnte difere

Zé do Cão disse...

Kim
os Magustos eram extremamente populares até ao dia em que nalguns casos, por sinal nos bem conhecidos, passaram a ser feitos com o dedo das organizações partidárias...
Fica logo tudo estragado...
Quanto à "nena" cubana, deveria sentir desgosto por por ter pelo demais, mas em contrapartida dava-lhe muito jeito o dinheirinho em terra de dificuldades.

Um abraço

Laura disse...

Zezito, olha pró artista, euzinha fiz a mesmissima coisa, botei ovo numa chávena grande, meti um pires em cima, para a água não salpicar, jesus, credo, cruzes, devias ver o estoiro, pensei que fosse outra Bomba (na áfrica do Sul) é que tinha rebentado uma onde morreram 16 pessoas e 265 feridos..eu vi tudo de casa no 15 andar onde morava...ah, a dona chávena e o senhor pires ficaram em minusculos vidrilhos, credo, que susto de morte...


Falei no padreco se as donas d ebigode não tivessem euros para ir a esteticista, assim o padreco dava o dinheiro da caixa das esmolas e elas iam tratr de sim ora pois, era isso....abençoado zezito que já sabes cozer um ovo no micro ondas...Beijinho da laura

São disse...

Não dá para ler, a esta hora...

Venho só para te iformar que há uma hortense esperando por ti lá em casa para que a coloques na lapela deste teu espaço.

Se aceitares, obrigada desde agora.

Uma noite serena.

Zé do Cão disse...

Laurinha

Sei agora cozer um ovo no micro ondas.
!
Nunca mais me atrevi a tanto. Anda não consegui entender, qual a razão que há pessoas que tem um micro ondas uma vida. Na minha casa, julgo que já vai em 8 ou 9.
Beijokitas

Zé do Cão disse...

São

Ainda bem que é uma hortense, porque fosse margarida, fugia dela a sete pés. Tenho sempre na lembrança o caso passado no Allambra - Granada.
Obrigado do coração
bj

Cusca Endiabrada disse...

Zé do canito disse: "A moçoila tinha uma bigodaça digna de qualquer concurso e além disso ainda tinha as pernas rapadas dos joelhos para baixo. Como a saia batia exactamente onde terminava a depilação via-se que do joelho para cima havia um amazónico matagal."

Eu bem sabia!!! Eu sabia que esse magusto de castanhas deve ter tido bem pouco ihihihih

Olhem só onde foi parar o "olho maroto do Zé do Canito ihihihih

Foi pena não ter ido contigo a esse magusto ... ninguém me tira da cabeça que se procurasse bem, era capaz de encontrar um "badal" no meio desse matagal que referes

dentadinha da endiabrada

Zé do Cão disse...

Cusca, Tem tento na língua.

Para ter badalo era necessário vestir calças com boca de sino.
Alé disso, não era aquela senhora que estava a assar o chouriço, mas sim a moçoila que o KIM viu em Cuba.

biquinhos

Cusca Endiabrada disse...

Oh! Cusca chegando de cabeça baixa para esconder sua face rubra de vergonha ...

Então quer dizer que meti água? Puxa! Inda bem que a mulher de bigode usava saia ihihihihih

Cusca Endiabrada disse...

Este Blog é o máximo!

Há aqui assunto que daria, no mínimo, 3 belas histórias de encantar, cujos temas seriam:

1 - Magusto histórico
2 - Matagal feminino
3 - O ovo bomba

A isto eu chamo "três em um" ahahahah

dentadinhas a todos

Zé do Cão disse...

cusca

Tens muita vergonha, tens.


Bj.

Zé do Cão disse...

Cusca.

Magosto concordo.
Quanto ao matagal feminino, acho melhor colocares o nome de

: - Matagal tropical -: Não era em Cuba?

Quererias dizer Ovo atómico?

bj

Parisiense disse...

Grande memória.....

Pois nós aqui na terriola ainda fazemos alguns magustos assim e no sábado temos um magusto desses, só que os pratos já não são os mesmos....é mais presunto, salpicão, porco no espeto.....mas é com rancho folclórico, cantares ao desafio e vinho do pipo....

Queres vir?????

Gabo-te a memória que tens.

Beijokitas e bom fim de semana.

Oliver Pickwick disse...

Ei, Zé! Aceito a proposta, desde que concorde em receber em troca, por via postal, o nosso presidente Lula. Creio que dessa maneira, ambos ficaremos satisfeitos.
O primeiro ministro Sócrates esteve o ano passado aqui em Salvador, nas comemorações da restauração do Real Gabinete Português de Leitura, construído em 1863. É um edifício muito bonito.
Um abraço!

Zé do Cão disse...

Parisiense


Quem me dera.
Soube hoje, que na próxima terça-feira, haverá jantarada com toda a família do Zé, irmão, cunhada, sobrinhos, mulheres, rapaziada pequena e há moda antiga.
Mesa grande de bancos corridos, línguas, caras,couves,castanhas,
agua pé, vinho, cherry bom. Como nos nossos velhos tempos, faltando apenas a mãe Júlia e o papá.

Estava deprimido e a tua presença aqui, e a perspectiva do convívio animaram-me
Bj

Zé do Cão disse...

Oliver. Lulas, só pequenas e gregalhas...

Pelas noticias que nos chegam, decerto nós não teríamos para satisfazer a sede do Presidente, Wisky que chegasse.

Maria Flor disse...

ô meu amigo querido!!! Que saudade das suas histórias! Pois é de volta lá com o meu blog!!!

te espero por lá!

beijocas,

Flor.

Zé do Cão disse...

Bem-vinda de regresso.

Bj.

Milu disse...

Olá Zé!

Ri-me com aquela do bigode chamuscado! :D
De assadas de castanhas ou Magustos também tenho várias histórias. Uma delas foi quando fui a Penafiel inserida numa excursão para comemorar o São Martinho, que afinal, também era uma feira onde se vendia de tudo. Chovia se Deus a dava! Eu e um colega enfiámos-nos pela feira adentro e atracámos-nos a um balcão de uma tenda de comes e bebes, pedimos um copito para cada uma de vinho verde maduro que me pareceu água de rosas, de tão agradável e macio. Visto que nos caiu bem não arrancámos de lá enquanto não bebemos um segundo copito, para fazer companhia ao primeiro.Só percebi que não tinha estado a beber água de rosas, quando tentei comprar um pijama e não conseguia descortinar o tamanho das calças, ora me pareciam grandes, ora me pareciam antes pequenas demais. A minha colega deixou-me às voltas com os trapos e investiu que nem uma louca pelo meio da multidão, foi um sarilho para a encontrar! Enquanto isto todos os outros haviam-se resguardado em cafés por causa da chuva, uma coisa que jamais faria, nem que chovessem picaretas!

Um beijinho.

zé do cão disse...

Milu
Belos tempos, belos tempos.
Não pelo S. Martinho, mas em Agosto pelas festas de Santa Marta de Portuzelo. Assisti a uma cena, digna de um filme italiano do Tótó.
Vou ver se tenho tempo para escrever o texto e publicar no blog.

Bjs

Laura disse...

Nem que não fosse, estavas mesmo a festejar o S. Martinho no meio de tantas iguarias que, olhar para o blogue, lembrou-me do Moscatel e outras coisas que tais..beijinhos.

Mariazita disse...

Querido amigo Zé
Este teu texto é uma verdadeira delícia, em todos os sentidos - na forma perfeita como descreves o que é uma festa popular, e nas delícias de que se compôs o repasto!
Infelizmente cada vez menos podemos assistir a essas manifestações, que demonstravam uma grande generosidade do nosso povo ( do povo autêntico...).
Quanto à senhora do bigode...é uma entre tantas outras que existiam em abundância nesse tempo. Ela, por certo, não tinha qualquer complexo com isso. Até porque, provavelmente, era assim que o marido gostava.
Não há muito tempo assisti a um programa qualquer na TV que mostrava várias mulheres com fartos bigodes, e os homens achavam muito bonito.
A noçaõ de beleza é muito dilatada.

E agora fica-te com Deus, e tem bons sonhos.

Beijoquitas
Mariazita

Zé do Cão disse...

recebi hoje de oferta, um garrafão de água pé moscatel.Esta noite vamos comemorar o S. Martinho.
Caixão à cova.

bj.

Zé do Cão disse...

Mariazita





Esta noite, há línguas e caras de bacalhau, com batatas e couves, castanhas.
chegou o S. Martinho

bj.

Pascoalita disse...

Então bom Dia de São Martinho! Bom convívio familiar e ... haja alegria e animação eheheh

O nosso magusto, lá na chafarica, será a meio da tarde de amanhã


jinhos

Zé do Cão disse...

Pascoalita

Pois que seja como imaginaram e mais os imprevistos.
Que o chefe apanhe uma carraspana e tenho de ser levado ao colo para o sofá a fim de curtir a azia.
biquinhos

Betho disse...

Aqui no Brasil e no sul a frase é ' Mulher de Bigode nem o diabo pode...'
Bom final de semana
Betho

Laura disse...

Já passou o s. martinho e agaja de bigode ainda lá tá...muda de modelo, de conto, ahhh. Beijinhos.

Zé do Cão disse...

Betho, obrigado pela visita.
Um abraço

Zé do Cão disse...

Laurinha.

Não me digas que não gostas das castanhas nem do bigode da senhora.
É que, só amanhã faz 15 dias e a minha tabela, deve manter-se, até ao dia em que acabe de vez. Nessa altura anunciarei com tempo

beijokitas

Pascoalita disse...

De passagem para rever a cena do magusto, dar mais uma risada e deixar um beijito

Boa tarde de domingo (aqui está chuvoso, cinzento e farrusco)

jinhos

Zé do Cão disse...

Pascoalita



Por aqui está farrusco, cinzento, chuvoso e ventoso.
Está bom para ter a lareira acesa. Não acendi ainda este ano. Todavia o Aq.Central já por 2 vezes.

Biquinhos