30.9.11

Férias





Encontro-me bem disposto, sorridente e com vontade de viver da forma e maneira que sempre me conheceram. Fui com a minha "Dona" fazer uns dias descanso à praia, apanhamos chuva, frio, calor, estivemos no campo e subimos ao vulcão. sem pensar nesta crise financeira sem precedentes na nossa memória.
Quando será estagnada? Sinceramente ninguém sabe, aliás não sabemos, mas uma coisa é certa, já não é na minha curta existência de vida, que vejo o povo, com o semblante menos carregado com a "canga" que nos arranjaram e que tanto peso nos causa. Temos fama de ser um povo taciturno , fácil de manejar pela classe politica (?) e resignado à nossa sorte. Segundo a minha óptica é aqui que se encontra o grão de areia da nossa desgraça.
Esperamos pois, que os nossos vindouros, encontrem um futuro cor de rosa, onde as estrelas do céu sejam brilhantes para todos, que os rios corram novamente com as águas cristalinas, e que os pássaros cantem aos quatro ventos as suas melodias cheias de liberdade.
Contrariando as leis dos negócios, apareceram umas companhias de aviação a praticarem preços nas suas viagens que causam espanto. Tenho ouvido dizer que são companhias fantasmas, aviões que não recebem manutenção, etc. etc.
Cá o Zé tem um medo tremendo às viagens de avião, e raramente mete os "butes" lá dentro. Até que, a "Dona" fez-me uma lavagem ao cérebro e com os pés pesados como chumbo, entreguei a alma ao criador e fosse o que Deus quisesse. Embarcamos no aeroporto Sá Carneiro na Cidade de Porto como se fosse para o cadafalso e a viagem que supostamente era feita num avião enorme, em regímem de voo "charter", foi feita num avião pequeno de dois motores com destino a Madrid, havendo aí uma ligação para Tenerife, onde estariamos de "vacances".
Quando em plena pista, o autocarro parou junto ao pequeno monstro mascarrado, os meus pés sentiram dificuldade em subir o escadote "caseiro" de alumínio para dar entrada no seu interior.
Hesitei, e não fosse um pequeno empurrão nas costas dado pelo passageiro que me seguia, juro que desmaiava. Lá dentro, os seis passageiros ocupavam os lugares que quisessem. Por mim, ficava contente com um para-quedas ajustado nas costas e junto à porta de saída. Foi essa a única maneira que me ocorreu na hipótese de a coisa correr para o torto e cheguei mesmo a pensar e para merecer as suas boas graças, que o diabo não era tão mau como o pintam. Naquela manhã, o vento soprava forte e uma chuva de molha tolos encharcava os ossos dos portuenses.
Seria o Demo a preparar-se para tomar conta da alma daqueles "tontinhos" e desta em particular, a quem a padrinho dera o nome de Zé.
Afinal foram uma férias cheias de coisas boas e que uma subida ao "Teide" retemperou o espírito, desejando nessa altura que o regresso se fizesse na mesma "caranguejola", cuja tripulação era totalmente feminina.
A minha hora não tinha chegado e portanto cá estou a contar estas memórias...

17 comentários:

São disse...

rrsss rrss como sempre, ler-te é uma delícia! mas deixa -me dizer-te: se tiveres de ir para os anjinhos por causa de um avião, ele te cairá no prato da sopa, rrs

Um enorme abraço, querido amigo...e cá fico à espera de memórias das férias

elvira carvalho disse...

Eu sou daquelas que acredita que se tiver de morrer de um tiro não morro de facadas ainda que me abram de alto a baixo. De modo que estou de
acordo com a minha antecessora. Se tiver de morrer por causa de um avião, até pode ser uma miniaturinha de algum neto.
Um abraço, e continuação de boas férias.

Maria disse...

Zé amigo
Medo de andar de avião? nem pareces tu. Eu adoro andar lá por cima. Tenho mais medo de andar de barco ou de carro e, confesso que, andar de camelo não me seduz. Prefiro um cavalo.
Obrigada por contares tantas histórias giras.
Beijinho
Maria

Pascoalita disse...

Amigão, nem me fales em medo de voar... acabo de chegar de "4 viagens no ar" e acho que nem que viajasse de pássaro todos os dias durante um mês ou mais, nunca perderia o medo.

Para além das dores que senti nos ouvidos, devido à pressão, e segundo opinião de companheiros de viagem experientes neste meio de transporte, foram viagens estupendas! Mas o comboio continua a ser o meu meio de transporte preferido.

Há muito tempo vi um presidente a cavalo numa tartaruga e mais tarde um outro não lhe quis ficar atrás e deixou-se fotografar em cima de um elefante. Mas nada que se compare à imagem desses "pombinhos felizes" eheheh

Estou a imaginar-vos a chegar assim a a Lisboa eheheh

jinhos

Mariazita disse...

Querido amigo Zé
Não vale a pena eu estar a dizer-te que há muitíssimos mais acidentes de carro do que de avião... Quantas vezes já não te terão dito isto!
Mas é verdade, morre muito mais gente de acidentes terrestres do que aéreos ou marítimos.
Eu confesso que não tenho nem nunca tive medo de andar de avião. E as viagems que tenho feito já contam umas dezenas...
Uma vez, em Moçambique, de Nampula para Moeda "apanhei" ao meu lado uma mulher que tinha terror (não era medo, era pânico) de andar de avião. Resultado, no dia seguinte tinha o meu braço todo negro, tal foi a força com que ela se agarrou a mim.
Tempos que já lá vão!

Mas ainda bem que gostaste das tuas férias.
Também já passei umas férias em Tenerife e gostei imenso.

Então bom feriado e boa continuação de semana.
Beijinhos

Cusca Endiabrada disse...

Rica vida a de reformado, hen?

Quando for grande, também quero tudo a que tenho direito, incluindo um passeio de "camelo Areias" ihihih

Inda há quem fale em crise ...

dentadinhas

Zé do Cão disse...

São

Pois é. Os meteoritos também caem na Terra, mas a grande maioria no Mar.
A instabilidade de um avião é mais do que muita, e só raramente aterra uma mosca na "sopinha".

abraço

Zé do Cão disse...

Elvria
Querida amiga, ninguém me convence...
Tenho um horror aos pássaros de metal que não vezes ideia.

É que são conduzidos por humanos...

o meu abraço

Zé do Cão disse...

Maria

é a sensação de entrar num caixão, ainda vivo. Olho pela janela e já o vejo aos trambolhões. Azar meu, é verdade, mas é superior ás minhas forças.

jinhos

Zé do Cão disse...

Pascoalita

olha se o bicho caía, alimentavas os
tubarões. É que o Mar é imenso.
O que interessa é foste, fizeste um bom regresso, estiveste hospedado no hotel caracol ( para seres servido demorou um tempo enorme, não foi?)e adoraste. Quanto ao hortelão não se borrou todo, não? Afinal só eu sou um caguinxas.

Biquinhos

Zé do Cão disse...

Mariazita

Afinal todos temos um buraquito num sitio que eu cá sei. E diz o ditado que quem tem cu, tem medo. Pelos vistos essa senhor, deveria ter dois, tal era o seu medo.
Mas o diabo e Deus colaboraram naquela altura com ela. E ainda com o inconveniente de cá debaixo atirarem com uma catana pró céu e apanhar o aparelho.

Foram todos os surtudos


bjs

Zé do Cão disse...

Cusca
E tu minha trinca espinhas, "reguila", "resmongona", atrevida, meiga, adorável, como estás?

biquinhos

Mariazita disse...

Amigo meu
Estou passando só para deixar um abraço de parabéns!
E desejar-te um bom jantar à luz de velas :)
Eu fiz o mesmo no dia 3, segunda feira.

Beijinhos

Kim disse...

AH ganda Zé!
Tás um destemido.
Confesso que andar de camelo também não é das coisas que mais me agrada. Já o avião me deixa mais tranquilo, apesar de já tera panhado um tremendo susto. Numa viagem para o México o avião foi atingido por um raio e ainda hoje não percebi porque é que não caíu. Nem te descrevo o pânico a bordo, com o avião a vir por ali abaixo.
Aterrámos de emergência nas Bahamas e quase perdi a vontade de voar.
É o que tem de ser.
Grande abraço amigo

Zé do Cão disse...

Mariazita

Estivemos num sitio estupendo.
na Pousada do Castelo de Palmela, cheio de mordomias.
Praticamente em casa .

Beijos

Zé do Cão disse...

Kim se tivesse o azar de me acontecer uma coisa dessas, garanto-te que não resistia a cagava-me todo.
Sem nada parecido, farto-me de fazer força para que isso não aconteça.

Abraço

Laura disse...

Kim; o avião não caiu porque ia lá um Kim disfaçado de anjo sem asas e, correu tudo bem. O que seria de mim sem ti meu amigo? nánaninánão, tinhas de sobreviver e contar a história.

Zézito, tu abusas da sorte, das forças, da vida..tu a andar de camelo? ó balham-me...

beijinhos